Lutar pelo que realmente importa

Marcha das Vadias

E o blog descompromissado com Ativismo se inicia falando de… Ativismo.

Quero falar brevemente sobre esse estigma. Sobre o argumento mais antigo (e mais vazio) usado para desligitimar uma luta, o “lutar pelo que realmente importa”.

Porque voltemeia você vê o pessoal se mobilizando por coisas “irrelevantes” não é mesmo? Por um comercial mal feito, uma brincadeira na faculdade, uma piada sem graça, uma bobeira dita na novela das oito… Sabe, ao invés de lutar pelo que realmente importa. Por que ao invés disso as pessoas não se mobilizam de verdade contra a corrupção, contra o trabalho escravo, contra os estupradores “de verdade”?

Bom, a resposta é bem simples: Porque essas coisas realmente importam. Cada pontinho, por mais bobo, por mais simples que permeia a nossa cultura é que produz a nossa sociedade. Somos uma soma. Cada uma das nossas atitudes indivíduais são políticas e todas elas somadas são o que dá origem ao “que realmente importa”.

É triste, porque já vi tal argumento sendo usado mesmo por gente muito querida, inteligente e, bem, ativista em determinados meios. Mas vale sempre lembrar: Pertencer a algum grupo excluído, a alguma minoria política, não te exclui de ser privilegiado de várias outras formas. Exemplo: Se você está lendo esse texto agora é enorme a chance de você ser classe média. Pronto, já é um ponto privilegiado.

E o privilégio é um muro que não nos permite enxergar do outro lado. Precisa subir em muito tijolo para alcançar a empatia, lá em cima de tudo.

O fato é que se um grupo de pessoas com baixa representatividade política (mulheres, negros, gays, trans*…) tem o trabalho de se reunir para reclamar de uma determinada postura, seja ela pessoal, midiática, educacional, enfim… provavelmente é porque aquilo realmente importa.

Provavelmente aquela piadinha inocente, aquela imagem casual ou aquela frase retirada de contexto influi negativamente na cultura que cerceia e oprime essas pessoas, mesmo que indiretamente. E o fato de você não enxergar isso, não significa que não é uma luta válida, significa apenas que ou você observa tal situação de forma naturalizada e acrítica ou que ela não te atinge.

“É claro que nós só aprendemos a história branca na escola… homens brancos fizeram tudo o que é importante”

Na segunda situação, nada mais é do que: Você é privilegiado(a).

Não é porque algo não seja importante para você que isso não seja importante at all. Acredite, as pessoas estão a todo momento lutando “pelo que realmente importa”. Desde gente que compartilha imagem de cachorro perdido no facebook até quem é voluntário em hospital do câncer. Tudo depende de com o que você se envolve, com o que te atinge.

São muitas as coisas que realmente importam. Por sorte, uma luta não impede a outra. Se você acha que tem gente “perdendo tempo” criticando determinadas “bobagens”, ora, ache as suas próprias para criticar. As que te atingem, as que você acha que “realmente importam”. Se você acha que a luta pela igualdade, por um mundo melhor se dá de outra forma, pode pegar sua bandeira e fazer do seu jeito que aqui você cabe.

Tem espaço de sobra para militância no mundo.

Advertisements
Lutar pelo que realmente importa

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s